Feeds:
Posts
Comentários

Archive for junho \24\UTC 2010

Pro seu “arraiá” ser mais completão, que ” tár” uma receita de bolo flocão? Porque festa de São João boa, tem que ter comida de milho. Segue agora, uma receita que sempre faço independente de época junina. Com esse bolo, meu São João acaba sendo o ano todo. Prático demais. É cultura popular pura. Hasta la victoria siempre 🙂

Bolo de cultura popular especial da Dani (Flocão e coco)

Ingredientes:

2 xícaras de leite

1 ½  xícara de açúcar

4 ovos

½ xícara de óleo

2 xícaras de flocão

1  colher de sopa de fermento em pó

100 gramas de coco ralado

Modo de fazer:

bata todos os ingredientes no liquidificador menos o coco ralado. Depois de batidos, despeje em uma forma sem untar. Acrescente o coco e misture com uma colher. coloque no forno e deixe por 30 minutos. Desenforme e povilhe com açúcar refinado. Sirva em seguida.

Anúncios

Read Full Post »

Hoje, véspera de São João, estou longe fisicamente de minha terra, de minha gente pernambucana. Mas, o cheiro de comida de milho, de fogos, fogueira e a poeira do forró, ecoam em meu sangue nordestino aqui em São Paulo, mesmo a distância. Mesmo com as fortes chuvas, várias cidades do interior de Pernambuco resistem e “pegam fogo” neste São João. Caruaru, Carpina, Gravatá e Arcoverde se transformam neste período junino e suas programações juninas agradam desde o mais conservador ao eclético. São Paulo tenta acompanhar o ritmo, mas, nada comparado ao vigor e autenticidade do meu Pernambuco querido.Saudades sempre! Hasta la victoria siempre 🙂

Read Full Post »

Autobiografia- Nasci numa família de camponeses sem terra, em Azinhaga, uma pequena povoação situada na província do Ribatejo, na margem direita do rio Almonda, a uns cem quilómetros a nordeste de Lisboa. Meus pais chamavam-se José de Sousa e Maria da Piedade. José de Sousa teria sido também o meu nome se o funcionário do Registo Civil, por sua própria iniciativa, não lhe tivesse acrescentado a alcunha por que a família de meu pai era conhecida na aldeia: Saramago. (Cabe esclarecer que saramago é uma planta herbácea espontânea, cujas folhas, naqueles tempos, em épocas de carência, serviam como alimento na cozinha dos pobres). Só aos sete anos, quando tive de apresentar na escola primária um documento de identificação, é que se veio a saber que o meu nome completo era José de Sousa Saramago… Não foi este, porém, o único problema de identidade com que fui fadado no berço. Embora tivesse vindo ao mundo no dia 16 de Novembro de 1922, os meus documentos oficiais referem que nasci dois dias depois, a 18: foi graças a esta pequena fraude que a família escapou ao pagamento da multa por falta de declaração do nascimento no prazo legal.

Talvez por ter participado na Grande Guerra, em França, como soldado de artilharia, e conhecido outros ambientes, diferentes do viver da aldeia, meu pai decidiu, em 1924, deixar o trabalho do campo e trasladar-se com a família para Lisboa, onde começou a exercer a profissão de polícia de segurança pública, para a qual não se exigiam mais “habilitações literárias” (expressão comum então…) que ler, escrever e contar. Poucos meses depois de nos termos instalado na capital, morreria meu irmão Francisco, que era dois anos mais velho do que eu. Embora as condições em que vivíamos tivessem melhorado um pouco com a mudança, nunca viríamos a conhecer verdadeiro desafogo económico. Já eu tinha 13 ou 14 anos quando passámos, enfim, a viver numa casa (pequeníssima) só para nós: até aí sempre tínhamos habitado em partes de casa, com outras famílias. Durante todo este tempo, e até à maioridade, foram muitos, e frequentemente prolongados, os períodos em que vivi na aldeia com os meus avós maternos, Jerónimo Melrinho e Josefa Caixinha.

Fui bom aluno na escola primária: na segunda classe já escrevia sem erros de ortografia, e a terceira e quarta classes foram feitas em um só ano. Transitei depois para o liceu, onde permaneci dois anos, com notas excelentes no primeiro, bastante menos boas no segundo, mas estimado por colegas e professores, ao ponto de ser eleito (tinha então 12 anos…) tesoureiro da associação académica… Entretanto, meus pais haviam chegado à conclusão de que, por falta de meios, não poderiam continuar a manter-me no liceu. A única alternativa que se apresentava seria entrar para uma escola de ensino profissional, e assim se fez: durante cinco anos aprendi o ofício de serralheiro mecânico. O mais surpreendente era que o plano de estudos da escola, naquele tempo, embora obviamente orientado para formações profissionais técnicas, incluía, além do Francês, uma disciplina de Literatura. Como não tinha livros em casa (livros meus, comprados por mim, ainda que com dinheiro emprestado por um amigo, só os pude ter aos 19 anos), foram os livros escolares de Português, pelo seu carácter “antológico”, que me abriram as portas para a fruição literária: ainda hoje posso recitar poesias aprendidas naquela época distante. Terminado o curso, trabalhei durante cerca de dois anos como serralheiro mecânico numa oficina de reparação de automóveis. Também por essas alturas tinha começado a frequentar, nos períodos nocturnos de funcionamento, uma biblioteca pública de Lisboa. E foi aí, sem ajudas nem conselhos, apenas guiado pela curiosidade e pela vontade de aprender, que o meu gosto pela leitura se desenvolveu e apurou.

Quando casei, em 1944, já tinha mudado de actividade, passara a trabalhar num organismo de Segurança Social como empregado administrativo. Minha mulher, Ilda Reis, então dactilógrafa nos Caminhos de Ferro, viria a ser, muitos anos mais tarde, um dos mais importantes gravadores portugueses. Faleceria em 1998. Em 1947, ano do nascimento da minha única filha, Violante, publiquei o primeiro livro, um romance que intitulei A Viúva, mas que por conveniências editoriais viria a sair com o nome de Terra do Pecado. Escrevi ainda outro romance, Clarabóia, que permanece inédito até hoje, e principiei um outro, que não passou das primeiras páginas: chamar-se-ia O Mel e o Fel ou talvez Luís, filho de Tadeu.. A questão ficou resolvida quando abandonei o projecto: começava a tornar-se claro para mim que não tinha para dizer algo que valesse a pena. Durante 19 anos, até 1966, quando publicaria Os Poemas Possíveis , estive ausente do mundo literário português, onde devem ter sido pouquíssimas as pessoas que deram pela minha falta.

Por motivos políticos fiquei desempregado em 1949, mas, graças à boa vontade de um meu antigo professor do tempo da escola técnica, pude encontrar ocupação na empresa metalúrgia de que ele era administrador. No final dos anos 50 passei a trabalhar numa editora, Estúdios Cor, como responsável pela produção, regressando assim, mas não como autor, ao mundo das letras que tinha deixado anos antes. Essa nova actividade permitiu-me conhecer e criar relações de amizade com alguns dos mais importantes escritores portugueses de então. Para melhorar o orçamento familiar, mas também por gosto, comecei, a partir de 1955, a dedicar uma parte do tempo livre a trabalhos de tradução, actividade que se prolongaria até 1981: Colette, Pär Lagerkvist, Jean Cassou, Maupassant, André Bonnard, Tolstoi, Baudelaire, Étienne Balibar, Nikos Poulantzas, Henri Focillon, Jacques Roumain, Hegel, Raymond Bayer foram alguns dos autores que traduzi. Outra ocupação paralela, entre Maio de 1967 e Novembro de 1968, foi a de crítico literário. Entretanto, em 1966, publicara Os Poemas Possíveis, uma colectânea poética que marcou o meu regresso à literatura. A esse livro seguiu-se, em 1970, outra colectânea de poemas, Provavelmente Alegria, e logo, em 1971 e 1973 respectivamente, sob os títulos Deste Mundo e do Outro e A Bagagem do Viajante , duas recolhas de crónicas publicadas na imprensa, que a crítica tem considerado essenciais à completa compreensão do meu trabalho posterior. Tendo-me divorciado em 1970, iniciei uma relação de convivência, que duraria até 1986, com a escritora portuguesa Isabel da Nóbrega.

Deixei a editora no final de 1971, trabalhei durante os dois anos seguintes no vespertino Diário de Lisboa como coordenador de um suplemento cultural e como editorialista. Publicados em 1974 sob o título As Opiniões que o DL teve, esses textos representam uma “leitura” bastante precisa dos últimos tempos da ditadura que viria a ser derrubada em Abril daquele ano. Em Abril de 1975 passei a exercer as funções de director-adjunto do matutino Diário de Notícias, cargo que desempenhei até Novembro desse ano e de que fui demitido na sequência das mudanças ocasionadas pelo golpe político-militar de 25 de daquele mês, que travou o processo revolucionário. Dois livros assinalam esta época: O Ano de 1993, um poema longo publicado em 1975, que alguns críticos consideram já anunciador das obras de ficção que dois anos depois se iniciariam com o romance Manual de Pintura e Caligrafia, e, sob o título Os Apontamentos , os artigos de teor político que publiquei no jornal de que havia sido director.

Sem emprego uma vez mais e, ponderadas as circunstâncias da situação política que então se vivia, sem a menor possibilidade de o encontrar, tomei a decisão de me dedicar inteiramente à literatura: já era hora de saber o que poderia realmente valer como escritor. No princípio de 1976 instalei-me por algumas semanas em Lavre, uma povoação rural da província do Alentejo. Foi esse período de estudo, observação e registo de informações que veio a dar origem, em 1980, ao romance Levantado do Chão, em que nasce o modo de narrar que caracteriza a minha ficção novelesca. Entretanto, em 1978, havia publicado uma colectânea de contos, Objecto Quase, em 1979 a peça de teatro A Noite, a que se seguiu, poucos meses antes da publicação de Levantado do Chão, nova obra teatral, Que Farei com este Livro?. Com excepção de uma outra peça de teatro, intitulada A Segunda Vida de Francisco de Assis e publicada em 1987, a década de 80 foi inteiramente dedicada ao romance: Memorial do Convento, 1982, O Ano da Morte de Ricardo Reis, 1984, A Jangada de Pedra, 1986, História do Cerco de Lisboa , 1989. Em 1986 conheci a jornalista espanhola Pilar del Río. Casámo-nos em 1988.

Em consequência da censura exercida pelo Governo português sobre o romance O Evangelho segundo Jesus Cristo (1991), vetando a sua apresentação ao Prémio Literário Europeu sob pretexto de que o livro era ofensivo para os católicos, transferimos, minha mulher e eu, em Fevereiro de 1993, a nossa residência para a ilha de Lanzarote, no arquipélago de Canárias. No princípio desse ano publiquei a peça In Nomine Dei, ainda escrita em Lisboa, de que seria extraído o libreto da ópera Divara, com música do compositor italiano Azio Corghi, estreada em Münster (Alemanha), em 1993. Não foi esta a minha primeira colaboração com Corghi: também é dele a música da ópera Blimunda, sobre o romance Memorial do Convento, estreada em Milão (Itália), em 1990. Em 1993 iniciei a escrita de um diário, Cadernos de Lanzarote, de que estão publicados cinco volumes. Em 1995 publiquei o romance Ensaio sobre a Cegueira e em 1997 Todos os Nomes e O Conto da Ilha Desconhecida . Em 1995 foi-me atribuído o Prémio Camões, e em 1998 o Prémio Nobel de Literatura.

Em consequência da atribuição do Prémio Nobel a minha actividade pública viu-se incrementada. Viajei pelos cinco continentes, oferecendo conferências, recebendo graus académicos, participando em reuniões e congressos, tanto de carácter literário como social e político, mas, sobretudo, participei em acções reivindicativas da dignificação dos seres humanos e do cumprimento da Declaração dos Direitos Humanos pela consecução de uma sociedade mais justa, onde a pessoa seja prioridade absoluta, e não o comércio ou as lutas por um poder hegemónico, sempre destrutivas.

Creio ter trabalhado bastante durante estes últimos anos. Desde 1998, publiquei Folhas Políticas (1976-1998)(1999), A Caverna (2000), A Maior Flor do Mundo (2001), O Homem Duplicado (2002), Ensaio sobre a Lucidez (2004), Don Giovanni ou o Dissoluto Absolvido (2005), As Intermitências da Morte (2005) e As Pequenas Memórias (2006). Agora, neste Outono de 2008, aparecerá um novo livro: A Viagem do Elefante, um conto, uma narrativa, uma fábula.

No ano de 2007 decidiu-se criar em Lisboa uma Fundação com o meu nome, a qual assume, entre os seus objectivos principais, a defesa e a divulgação da literatura contemporânea, a defesa e a exigência de cumprimento da Carta dos Direitos Humanos, além da atenção que devemos, como cidadãos responsáveis, ao cuidado do meio ambiente. Em Julho de 2008 foi assinado um protocolo de cedência da Casa dos Bicos, em Lisboa, para sede da Fundação José Saramago, onde esta continuará a intensificar e consolidar os objectivos que se propôs na sua Declaração de Princípios, abrindo portas a projectos vivos de agitação cultural e propostas transformadoras da sociedade.

(“A Ilha Desconhecida fez-se enfim ao mar, à procura de si mesma.”- José Saramago)

Read Full Post »

No ano da copa do mundo, alguns cordelistas integrantes da Caravana do Cordel, sob a coordenação de Nando Poeta, através da editora Luzeiro, resolveram inovar na forma das pessoas saberem mais sobre o evento futebolístico mais prestigiado do planeta.

De um jeito autêntico e inovador, a publicação HISTÓRIAS DA COPA DO MUNDO EM CORDEL, reúne na visão de 20 cordelistas advindos das mais diversas regiões do nordeste  radicados em São Paulo, momentos históricos das copas do mundo desde seu surgimento aos dias atuais.

No ano de 2006, destaque para o poeta Luiz Wilson, que descreve com muito bom humor e inteligência, versos que falam sobre o placar de todos os jogos do Brasil e também sobre os craques escalados naquela ocasião. Versejando outros anos, participaram da publicação os poetas: Varneci Nascimento, Moreira de Acopiara, João Gomes de Sá, Pedro Monteiro, Marco Haurélio, Costa Senna, Josué Araújo, Cacá Lopes, dentre outros cordelistas da Caravana do Cordel. Solicite aqui este cordel.

Read Full Post »

No último dia 12, dia dos namorados, em São Paulo, aconteceu o IV Arraial literário na Biblioteca Belmonte, especializada em cultura popular. Com o tema, Lampião e Maria Bonita, um namoro arretado, o encontro reuniu o melhor da cultura popular brasileira. Na ocasião, se apresentaram integrantes da Caravana do Cordel, o cantor Luiz Wilson e a cantora Fatel Barbosa que animaram a todos com um autêntico forró pé-de-serra, entre outras atrações. Também houve um concurso que elegeu o melhor casal de Lampião e Maria Bonita da festa.  Além do dia dos namorados, o evento também festejou o São João e a Copa do mundo. Foi arretado de bão sô!

hasta la victoria siempre 🙂

Dani Almeida, Maria José, Costa Senna, Pedro Monteiro e Varneci Nascimento

Fatel Barbosa anima público presente com forró pé-de-serra

cantor e poeta Luiz Wilson

cantor e poeta Costa Senna

Read Full Post »

A cultura como negócio

Trabalhar com projetos culturais não é fácil. Mas a tendência a cada dia se eleva. Atualmente a cultura é fonte de renda e negócio de muitas pessoas. Só no Brasil são mais de três milhões de indivíduos que trabalham com isso.

Isso porque o Marketing Cultural, ferramenta de comunicação hoje implantada em diversas empresas, beneficia não apenas o investido e o investidor, mas principalmente, a sociedade.

Segundo dados da revista Markentig Cultural, de 1994 para cá, o número de empresas que passaram a investir em cultura sextuplicou e cada vez mais, pessoas ingressam nesse mercado anualmente. A publicação ainda revela que hoje, as empresas investem mais em cultura por inserirem em seus novos conceitos a chamada responsabilidade social.

Para Rafael Gioielli, gerente de desenvolvimento sociocultural do Instituto Votorantim de São Paulo, um dos principais critérios que o grupo considera relevante para aprovar um projeto cultural é a questão da acessibilidade. “É preciso que as pessoas pensem não apenas na produção de sua arte, mas como ela chegará às pessoas. Na hora de aprovarmos um projeto, esse é um ponto que valorizamos bastante e deve estar bem definido”, destaca.

Criar um projeto cultural e inscrevê-lo em editais, bem como encaminhá-lo às empresas de forma independente, é o que acontece com a maioria dos profissionais que trabalham com cultura. Porém, antes de encaminhar, é sempre bom saber quais valores e conceitos a possível patrocinadora agrega, para que os objetivos em questão tenham pontos em comum com seu perfil.

Para uma maior possibilidade de aprovação, além de ser bem escrito, é importante que o projeto seja algo que envolva o maior número de beneficiados possível. “Quando falamos de cultura, é preciso pensar numa sensibilização geral. O projeto tem que deixar de ser pessoal e se tornar algo de interesse público”, afirma Lárcio Benedetti, professor de Marketing Cultural da Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP), de São Paulo.

Ações de marketing cultural solidificam a imagem institucional de uma empresa e dá visibilidade para a marca. Para os profissionais culturais e seus artistas, fica a fonte de sua sobrevivência durante os meses em que seu projeto estiver em vigor além da perpetuação de sua arte. Para a sociedade resta o melhor: a possibilidade de enxergar o mundo de forma criativa, proveitosa e inesquecível.

Read Full Post »

Numa noite repleta de jovens motivados pelo espírito participativo, o lançamento do Guia Catraca Livre e o Programa Palco Digital, realizado ontem (01), no Itaú Cultural em São Paulo, emocionou os presentes.

Gilberto Dimenstein comanda o lançamento do Guia Catraca Livre e do Projeto Palco Digital

O evento, mediado pelo jornalista Gilberto Dimenstein, abriu a semana voltada à cultura e educação e comemorou os dois anos do projeto Catraca Livre, site divulgador de eventos culturais a baixo custo ou custo zero da cidade de São Paulo, nove anos do Instituto Faça Parte e os 13 anos da Associação Cidade Escola Aprendiz.

O Palco Digital é um projeto que conecta escolas de todo o Brasil, através da Rede Catraca, estimulando os alunos a desenvolver blogs e sites como experiência de aprendizagem em parceria com o Catraca Livre, o Faça Parte, Cidade Escola Aprendiz, Itaú Cultural e o Ministério da Cultura.

Na ocasião, professoras e representantes de colégios de classes sociais diversificadas da capital paulista, revelaram a repercussão do projeto na vida dos alunos. Foi o caso do Colégio Porto Seguro da comunidade de Paraisópolis. Lá, os alunos criaram o site ecolivre, com páginas e menus voltados aos trabalhos artísticos, escolares, notícias locais e muito mais.

O aluno Caio, da escola Dante Alighieri, fala sobre experiência ao lado de sua professora

Seguindo a mesma linha, a Escola Dante Alighieri, localizado numa das paralelas da famosa Avenida Paulista, criou o blog Dante Catraca. O aluno Caio, falou sobre a experiência. “Já escrevi sobre a campanha do agasalho e a virada cultural para a revista do site”, comenta.

Já na comunidade de Heliópolis, maior favela de São Paulo, com mais de 125 mil habitantes, o DJ Reginaldo (também parceiro da rede Catraca), é um dos responsáveis pelo site UNAS e rádio Heliópolis, que promovem cidadania e qualidade de vida na comunidade. Segundo Reginaldo, esses projetos resgatam valores que os adolescentes da região achavam que não poderiam ter. Reginaldo também é autor do projeto Alconscientes, também apoiado pelo Catraca Livre e pela Ambev. Nesta ação o DJ promove uma balada black para a juventude que não pode rolar nem bebida alcoólica nem drogas. “Uma vez um rapaz chegou lá e acendeu um baseado (maconha). Nós paramos o som da balada e disse que a festa estava sendo encerrada por causa do garoto. Pensei que a galerinha ia me criticar, mas não, o pessoal deu o maior apoio e nunca mais isso aconteceu novamente”, lembra Reginaldo.

Na Vila Madalena, bairro de São Paulo também conhecido por sua variação cultural, a rede catraca também se amplia. Através do site VilaMundo, que pertence a um Ponto de Cultura de mesmo nome, o projeto agrega várias escolas da região e fala sobre a agenda cultural do bairro, fomentando  o protagonismo juvenil na web.

Esses são alguns dos exemplos da Rede Catraca Livre. “Esse encontro é a prova de que uma pequena idéia pode trazer grandes resultados”, analisa o idealizador Gilberto Dimenstein.

O evento aconteceu na sede do Itaú Cultural em São Paulo

auditório do espaço ficou lotado

Read Full Post »

Older Posts »